Oki

Indústria gráfica fluminense ganha mapeamento setorial

15/01/2018 - 13:01

As características e evolução dos últimos oito anos da indústria gráfica e editorial fluminense estão reunidas no primeiro mapeamento do segmento, elaborado pelo Sistema FIRJAN. O estudo Retrato Setorial Gráfico e Editorial contém ainda detalhes sobre a distribuição geográfica no estado, porte de empresa e o perfil da mão de obra.

Presidente do Sindicato das Indústrias Gráficas do Município do Rio de Janeiro (Sigraf), Carlos Di Giorgio considera o estudo um grande avanço, por reunir em um único documento dados relevantes que podem influenciar ações que fomentem o setor.

“Agora temos uma análise que nos permite identificar desafios e oportunidades para crescer. Podemos, por exemplo, fazer comparações entre as regiões do estado a partir dessas informações, ajudando a estruturar políticas mais eficientes para cada uma, de acordo com suas necessidades”, destaca Di Giorgio.

O setor gráfico e editorial está presente em 75 dos 92 municípios fluminenses, de acordo com a publicação. Contudo, a cidade do Rio de Janeiro concentra mais da metade dos estabelecimentos (57,7%) e três em cada quatro trabalhadores (75,3%) desta indústria. Fora da capital, a distribuição das empresas e dos profissionais acompanha a atividade econômica como um todo.

Em relação ao número de empregos e de empresas as regiões Leste e a Baixada Fluminense Área II ocupam o segundo e terceiro lugar, respectivamente. A Baixada avançou 5,9% no número de empresas entre 2009 e 2015, resultado superior ao registrado no estado do Rio como um todo (+2,1%). Esse crescimento garantiu o terceiro lugar em número de empregados e estabelecimentos. No Leste Fluminense, este número manteve-se quase estável, mas sem perder sua segunda colocação no mercado de trabalho setorial.

Ainda segundo o estudo, no período analisado, o salário médio no estado do Rio avançou 21,2% em termos reais, alcançando, em 2016, o maior salário médio do país (R$ 3.621). A média de remuneração do setor é fortemente influenciada pela atividade de impressão de material de segurança. Em quantidade de empregados pelo setor, a indústria gráfica fluminense encontra-se em segundo lugar do Brasil, com quase 18 mil colaboradores.

Em nível estadual, as Atividades de Impressão respondem por quatro em cada dez estabelecimentos e empregos deste segmento, seguidas pela Edição Integrada à Impressão, pelas Atividades de Edição e, por fim, pelos serviços de Pré-impressão e Acabamentos Gráficos.

O estudo completo do Retrato Setorial Gráfico e Editorial pode ser acessado através deste link: http://www.firjan.com.br/publicacoes/publicacoes-de-economia/retrato-setorial-grafico-1.htm.

  Mais notícias

Gráfica Inteligente Agnelo Editora Anuncie aqui